O contraditório tratamento da depressão

“Como é possível que o tratamento para minha condição seja justamente fazer mais as coisas que tenho dificuldade em fazer? Você não está entendendo!” Quando discutimos o funcionamento da terapia comportamental com o paciente deprimido, reações como essa podem ser inicialmente esperadas. Notoriamente, a Terapia de Ativação Comportamental é um modelo de intervenção que busca […]

Autismo: Como utilizar os reforçadores no desenvolvimento de repertórios comportamentais?

É amplamente reconhecido que nas intervenções em TEA (Transtorno do Espectro Autista), o desenvolvimento de repertórios comportamentais dependerá do uso de reforçadores. Sendo assim, não basta apenas planejar uma intervenção com antecedentes; é essencial garantir a disponibilidade de reforçadores adequados para cada criança e para cada situação específica. Mas, afinal, o que são reforçadores? Os […]

Por que o psicoterapeuta infantil do meu filho brinca com ele nos atendimentos?

O brincar é centralizado na psicoterapia infantil, em especial por ser um movimento naturalmente prazeroso para a criança, facilitando sua adesão no processo psicoterapêutico e o acesso de conteúdos importantes pelo psicólogo clínico. Geralmente, as sessões envolvem os recursos lúdicos como os brinquedos, jogos de tabuleiro, baralhos, massinhas, desenhos, pinturas etc., que funcionam como apoio […]

Adaptação de Recursos Digitais no Tratamento da Depressão

A Ativação Comportamental é uma abordagem terapêutica que objetiva facilitar o engajamento de pessoas deprimidas em atividades significativas e gratificantes como uma maneira de influenciar seus estados de humor para superar a depressão. Ela parte do pressuposto de que a depressão implica em um ciclo de inatividade e isolamento, que por sua vez aprofunda os sintomas […]

A importância de uma educação sexual para crianças e adolescentes

uma criança em uma cadeirinha segura uma câmera de brinquedo em fente à face

Em 2012/2013 eu estava finalizando minha pós-graduação em Terapia Sistêmica para Casais e Famílias e, assim como em qualquer pós-graduação, a finalização do curso dependia da entrega de um trabalho de conclusão de curso (o famoso TCC). Na época eu me empenhei para construir um material que fazia sentido para mim e até publiquei esse […]

Cuidado com o Reforço Arbitrário

confeitos de chocolate coloridos

Em psicoterapia, nós, psicólogos, desejamos profundamente ajudar nossos pacientes/clientes/consulentes (existem muitas palavras para se referir à pessoa atendida -risos!-) a enfrentarem seus desafios pessoais. Nessa busca, não é incomum o uso de ordens, regras e pedidos que inadvertidamente podem ter um efeito contraproducente.  O uso de reforço arbitrário e reforço natural é uma preocupação antiga […]

A Cultura da Infelicidade

Havia terminado os atendimentos pela manhã, e caminhava distraída pelas ruas do Nordeste brasileiro, sob um sol de 34°C. Este é um daqueles dias ensolarados (por demais) que parecem-nos deixar desmotivados até mesmo para levantar os olhos na direção do trajeto e virar a próxima esquina. O sinal abriu para o pedestre; ao olhar para […]

“Não gosto de seu jeito de jogar”: BBB e esquemas de reforçamento

“A casa mais vigiada do Brasil…” essa é uma das características do programa de televisão que já tem mais de 20 anos de ocorrência em sua versão brasileira: o Big Brother Brasil (ou BBB). A parte central do programa é sua configuração enquanto um reality show, uma modalidade de entretenimento que envolve a exposição de […]

Reforço: Algumas Implicações de Verdades Científicas Estabelecidas a posteriori

Todo iniciante ou já calejado estudante da Análise do Comportamento sabe que o conceito da função reforçadora condicionada é especialmente definido com base na observação dos fatos: se uma resposta aumentar de frequência em decorrência da produção de um dado estímulo, considera-se que este estímulo exerce efeito reforçador sobre a resposta (Skinner, 1953/2003). Portanto, é […]

Ignorar ou não as birras de crianças?

Uma criança possui poucos anos de experiência com o mundo, por isso, seu repertório em lidar com frustrações ou outras emoções intensas é, naturalmente, limitado. A aprendizagem de regulação emocional é constante, perdurando até a idade adulta. Quando a criança age de uma maneira socialmente indesejável, como dar birras (que geralmente envolve gritar, chorar, bater […]

Obrigado pelo feedback

Sua opnião é muito importante para nós!