Por que o Behaviorismo é uma Filosofia da Ciência?

Compartilhe este post

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Em meados do século passado, B. F. Skinner, um importante disseminador dos princípios filosóficos behavioristas e um igualmente importante pesquisador para o desenvolvimento da Análise do Comportamento, publicou um artigo na Revista Science intitulado “Behaviorismo aos 50: o crescimento rápido de uma específica ciência do comportamento convoca um reestabelecimento da filosofia da psicologia[i]”. Ali, ele revisou o contexto de surgimento da filosofia behaviorista, os principais desafios iniciais e os avanços já observados naquela época em que o texto fora publicado.

É importante lembrar que estamos dentro de uma comunidade científica com intensa produção de conhecimento e de tecnologia comportamental e que estamos há mais de 110 anos da publicação do conhecido manifesto behaviorista[ii]. Contudo, mesmo após esse grande espaço de tempo, ainda nos deparamos com incompreensões ou com afirmações equivocadas acerca das características e da relevância de uma filosofia da ciência behaviorista. Assim, parece razoável reservarmos um momento para refletirmos um pouco sobre o que é uma filosofia da ciência e por qual razão o behaviorismo é considerado uma filosofia da ciência do comportamento.

Vale ressaltar que a pretensão do presente texto não é de esgotar o debate e as implicações conceituais desse assunto. Antes disso, o objetivo principal aqui será o de lançar mão de alguns conceitos e definições introdutórias para que possamos entender um pouco mais sobre o que é filosofia da ciência e behaviorismo. Para tanto, o primeiro passo desse texto será o de avaliar a definição do que está sendo considerado como filosofia da ciência, a principal característica e, posteriormente, o que pode ser destacado como as razões pelas quais há um ramo da filosofia que se dedica especialmente à reflexão sobre a ciência e o conhecimento produzido a partir desse referencial. O passo seguinte, a partir da caracterização dada por Skinner (1963; 1990) e Watson (1913), será destacar alguns aspectos que podem nos dar uma boa razão para entender o behaviorismo como uma filosofia da ciência.

O que é isso que estamos chamando de filosofia da ciência?

Diferentes historiadores da filosofia destacam o quanto a filosofia pode ser considerada uma grande mãe no que se refere ao desenvolvimento do conhecimento (Godfrey-Smith, 2003; Hempel, 1974). Diferentes áreas do saber tonificaram seus alicerces teóricos levando em consideração algumas reflexões filosóficas importantes. Por exemplo, a discussão sobre o método, sobre o que é possível conhecer a partir deste e sobre a validade do que é conhecido.

Essas discussões podem ser resultantes de perguntas diretas, tais como “O que torna a ciência uma boa forma de conhecer o mundo?”, “Qual a natureza do objeto de estudo em ênfase?”, ou “Quando uma teoria é confirmada pelas suas predições?”. Essas perguntas são filosóficas e não podem ser respondidas conduzido mais pesquisas ou coletando mais dados sobre um determinado fenômeno (Curd & Cover, 1998). Alguns filósofos e críticos da ciência podem afirmar essas são exemplos de perguntas que tem como referencial a lógica referente ao comportamento de fazer ciência, embora essa visão não seja necessariamente um consenso (Godfrey-Smith, 2003). Por outro lado, há uma concordância muito clara de que essas perguntas estão situadas em um campo de discussão filosófica chamado de filosofia da ciência.

Para abordarmos uma definição mais específica sobre o que é a filosofia da ciência conforme Godfrey-Smith (2003), podemos considerar que se trata de uma parte da filosofia cujo foco de investigação são questões-problema que emergem da reflexão sobre a ciência. Com isso, delimita-se o foco da reflexão e da problematização em assuntos tais como os discutidos previamente, envolvendo a natureza das afirmações e dos conceitos científicos, como estes são produzidos e, além disso, quais são os meios de validação da informação produzida.

É possível indicar que a filosofia da ciência possa ser tão velha quando a própria filosofia (Corr & Cover, 1998), na medida em que, na história da filosofia, diferentes pensadores formularam questões sobre os princípios da produção de conhecimento, sobre a validade e sobre os métodos, principalmente após o advento da ciência moderna. Porém, resumidamente é importante reconhecer que há uma parte da filosofia que posiciona os holofotes da crítica sistemática sobre a forma de produção de conhecimento científico, seus produtos e, consequentemente, a relação destes com outras temáticas relevantes para a filosofia, como ética, epistemologia, ontologia e metafísica (Hempel, 1974).

Em suma, podemos sugerir que um dos papéis desse exercício de reflexão em filosofia da ciência é, sobretudo, o de questionar-se acerca da natureza e acerca do status do conhecimento científico (Godfrey-Smith, 2003). Ao fazer isso, encontramos pilares fundamentais que caracterizam a forma de trabalho na ciência e que nos conduzem a entender porque os cientistas tanto enfatizam a experimentação, ou destacam o valor da análise numérica e da quantificação, ou formam uma comunidade tão ampla que, dentre outras finalidades, legitima a força da argumentação científica.

Além disso, ao nos dedicarmos nessa categoria de análise, podemos também sugerir que estamos estudando sobre a lógica de conceitos importantes para a formação de teorias na ciência. Por exemplo, falar de hipertensão arterial fora do contexto teórico da medicina pode não fazer muito sentido, da mesma forma que o termo quântico, fora do sistema teórico da física, pode nos levar à aplicação e ao entendimento distorcido desse conceito.

Por que o Behaviorismo pode ser considerado uma filosofia da ciência?

A história de influência da perspectiva behaviorista na psicologia e, consequentemente, a história do desenvolvimento da Análise do Comportamento, são marcadas pela defesa de que é possível que os fenômenos psicológicos sejam analisados com base em uma visão determinista do comportamento humano. Alguém pode criticar, e as mais diferentes e específicas críticas foram dirigidas ao longo da história do behaviorismo, ressaltando, por exemplo, que seria dificil lidar com os prejuízos dessa proposta de análise do comportamento como objeto de investigação. Por vezes, a crítica também se concentra em apresentar essa visão determinista como restrita ou limitada, frente à possibilidade de se observar o fenômeno psicológico longe das “amarras” da noção de controle que a ciência natural tanto valoriza.

Contudo, se a defesa dos pesquisadores e pensadores no início do século 20 era de abrir espaço para análise de fenômenos psicológicos tal como outras ciências naturais, não parece plausível considerar que uma perspectiva determinista seria assumida inevitavelmente? Bom, essa pergunta foi posta com intuito de provocar o leitor sobre as possíveis respostas à pergunta destacada anteriormente para, então, começarmos a falar sobre algumas das razões pelas quais podemos considerarmos o Behaviorismo como uma filosofia da ciência. Se conseguimos passar da primeira parte desse texto entendendo, ainda que superficialmente, o que é uma filosofia da ciência, talvez você também já tenha pensado em uma resposta do tipo “sim, parece plausível”. Concordando ou não, ao menos fará uma reflexão sobre o que é determinismo e, de alguma forma, esse conceito está sendo correlacionado a um possível status da ciência sobre o comportamento. 

Na introdução de “Sobre o Behaviorismo”, Skinner (1990/2006) afirma explicitamente que “O behaviorismo não é a ciência do comportamento humano, mas, sim, a filosofia dessa ciência”. Como destacamos no tópico anterior, o que qualifica uma filosofia da ciência é a especialização das perguntas direcionadas ao contexto de produção de conhecimento científico. Dessa forma, em um primeiro momento, podemos concordar que o que torna o Behaviorismo uma filosofia da ciência é especificamente a abordagem das questões construídas e direcionadas ao desenvolvimento de uma ciência do comportamento e que lançam dúvidas, como destacado pelo Skinner: “É possível tal ciência? Pode ela explicar cada aspecto do comportamento humano? Que métodos pode empregar? São suas leis tão válidas quanto as da Física e a da Biologia?”. Lembrem-se que, essas perguntas, na medida em que exibem problema filosóficos específicos, não funcionam como problemas de pesquisa que devem orientar novas experimentações para que possam ser respondidas. Por outro lado, são questões que exigem assumir determinados critérios e/ou definições importantes e que condizem com os pressupostos teóricos utilizados para guiar a investigação, a produção de conhecimento e tecnologia.

Perguntas como as que foram destacadas acima nos conduziriam a respondê-las levando em consideração algumas das características que são comumente atribuídas ao Behaviorismo, como o já mencionado conceito de determinismo. Você talvez nunca tenha parado para refletir sobre, mas existe uma diversão filosófica implícita por trás da resposta à pergunta “O que é comportamento?”.

Podemos responder a essa última pergunta com uma resposta rápida e supostamente consensual, como “É toda resposta que um organismo faz a estímulos” (Watson, 1913). Mas essa definição assume algumas bases (princípios) sem as quais a própria definição poderia ficar incompleta, como a noção de que comportamentos são determinados (resposta a um estímulo). Assim, os caminhos da argumentação que nos conduziram a identificar essa característica fundamental da definição de comportamento para o Behaviorismo é, sem sombra de dúvida, um bom exemplo do que é possível deduzir em filosofia tendo como referencial aspectos da própria ciência.

Watson (1913) , no manifesto behaviorista, apresenta críticas explicitas aos diferentes formatos de estudos sobre psicologia e a forma como os pesquisadores da sua época estavam tentando produzir conhecimento sobre os eventos psicológicos. O autor ressalta que:

a) O movimento inicial de estudos sobre psicologia falharam em tentar reivindicar o lugar de uma ciência natural;

b) Cada novo passo para tentar definir objetos e métodos de investigação estavam assumindo cada vez mais explicações com apelo a entidades hipotéticas;

c) O behaviorismo é puramente objetivo, tal como outras ciências naturais; e

d) Comportamento é toda resposta que um organismo faz a estímulos.

Há no contexto de cada uma dessas afirmações a consideração do que deve ser feito para alcançar o status de ciência natural, uma definição sobre o que são o objeto e os métodos de investigação e, por fim, uma definição do conceito de objetividade e qual a sua utilidade no desenvolvimento do conhecimento científico.

Veja, por trás das críticas que formatam o behaviorismo apresentado no manifesto de Watson há implícito um grupo específico de questões que guardam um teor filosófico muito semelhante ao que apresentamos no início deste texto e que foi há pouco destacado também por questões lançadas por Skinner (1990/2006): sobre a natureza da ciência que se gostaria de construir, sobre os critérios de validação do conhecimento produzido e, portanto, sobre o método a ser utilizado. 

Para finalizar…

Se tudo o que discutimos até aqui parece fazer sentido para você, estamos neste exato momento concordando sobre ter encontrado uma boa razão para afirmar que o behaviorismo é uma consistente filosofia da ciência. Desde a publicação do manifesto até os tempos atuais, o behaviorismo cria um espaço que pode ser considerado como o espaço dos debates conceituais. E não qualquer tipo de debate conceitual, mas aqueles que estão intimamente relacionados com o desenvolvimento da ciência do comportamento.

Como apontado por Skinner (1963), muitas questões abordadas no âmbito da filosofia behaviorista foram respondidas, na medida que as estruturas iniciais do ambiente de pesquisa e da comunidade de analistas do comportamento foi sendo construída. Isso, por outro lado, não exclui o fato de que novos problemas surjam e que novas perguntas sejam direcionadas. Assim, devemos imaginar que este espaço de debate sobre filosofia behaviorista acompanha as mudanças, as adaptações e as transformações observadas na ciência do comportamento. Esses podem ser, talvez, temas para abordamos em uma próxima coluna 😉.

Bibliografia

Chiesa (2006). Behaviorismo Radical: a Filosofia e a Ciência. Brasília: Editora Celeiro.

Curd & Cover (1998). Philosophy of Science: the central issues. USA: Norton & Company.

Godfrey-Smith (2003). Theory and Reality: an introduction to the Philosophy of Science. Chicago: The University of Chicago Press.

Hempel (1974). Filosofia da Ciência Natural. Rio de Janeiro: Zahar.

Skinner (1963). Behaviorism at fifty. Science, 140, 951–958.

Skinner (1990/2006). Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Cultrix.

Watson (1913). Psychology as the Behaviorist Views it. Psychological Review, 20(2), 158–177.


[i] Behaviorism at fifty: the rapid grownth of an scientific analysis of behavior calls a restatemant of phylosophy of psychology (1963)

[ii] Psychology as the Behaviorist Views it (Watson, 1913)

Escrito por:

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba nossas atualizações

Comentários

Posts recentes

Sem categoria

Sobre dias cinzas: falando de depressão

“Tristeza, por favor, vá embora Minha alma que chora, está vendo o meu fim Fez do meu coração a sua moradia, já é demais o