Explorando a Intimidade na Psicoterapia Analítica Funcional

Compartilhe este post

A análise funcional da intimidade é uma abordagem que busca compreender os padrões de interação íntima entre as pessoas, explorando como esses padrões são mantidos e influenciados pelo ambiente e pelas consequências que eles geram. Essa análise considera não apenas o comportamento observável, mas também os pensamentos, sentimentos e motivações que estão por trás desses comportamentos.

Na Psicoterapia Analítica Funcional (FAP), é essencial compreender o conceito de intimidade como definido por Cordova e Scott (2001). Eles detalharam o termo de acordo com o behaviorismo radical. Para eles, a intimidade é caracterizada por episódios em que ocorre um processo de dois passos, começando com um indivíduo emitindo um comportamento vulnerável a uma punição interpessoal e terminando com outra pessoa respondendo de maneira não punitiva e reforçadora. Nessa visão, a intimidade se desenvolve a partir de uma coleção histórica de eventos que incluem tal processo. Esses eventos consistem em vários tipos de comportamentos abertos e privados, incluindo compartilhar pensamentos e sentimentos, memórias, segredos e proximidade física. Assim, por esta definição, o comportamento íntimo incorre se houver risco de vulnerabilização a experiências aversivas de vergonha, humilhação, constrangimento ou rejeição. No entanto, é o engajamento em processos de intimidade que paradoxalmente promove o acesso a experiências de validação, compreensão e cuidado.

Para compreender a dinâmica da intimidade, é fundamental considerar não apenas os aspectos positivos, como a satisfação emocional e a sensação de apoio, mas também os desafios, como o medo da rejeição, a dificuldade em expressar emoções e as barreiras à comunicação aberta e honesta.

A análise funcional da intimidade pode ser valiosa em psicoterapia, auxiliando os indivíduos a explorar seus padrões de interação íntima, identificar comportamentos disfuncionais e desenvolver habilidades para construir relacionamentos mais saudáveis e satisfatórios. Ao compreender as funções do comportamento íntimo, é possível promover mudanças positivas que contribuam para uma maior harmonia e conexão nas relações pessoais.

Um exemplo prático disso, extraído do texto de Cordova e Scott (2001), ocorre quando duas pessoas, Rachel e Bobby, estão conversando sobre um evento estressante na vida de Bobby. Rachel demonstra apoio e compreensão, o que faz com que Bobby se sinta mais confortável em compartilhar suas vulnerabilidades com ela. Esse tipo de interação íntima pode fortalecer o vínculo entre eles e promover um relacionamento mais saudável e satisfatório.

Em resumo, a compreensão da intimidade na Psicoterapia Analítica Funcional é crucial para promover mudanças positivas nos relacionamentos e na vida emocional dos clientes. A análise funcional dos comportamentos íntimos pode ajudar a identificar padrões disfuncionais e desenvolver estratégias para promover uma maior harmonia e conexão nas relações pessoais.

Referência

Cordova, J. V., & Scott, R. L. (2001). Intimacy: A behavioral interpretation. The Behavior Analyst, 24, 75-86. https://doi.org/10.1007/BF03392020

Escrito por:

Rodrigo Xavier

Psicólogo (UFMS) e psicoterapeuta, Doutor em Psicologia Clinica (USP) com estágio sanduíche na University of Washington sob os cuidados dos Ph.D. Robert Kohlenberg, Mavis Tsai e Johnatan Kanter. Treinador certificado de FAP desde 2021. Líder de encontros do Projeto Global Viva com Consciência, Coragem e Amor desde 2018. Professor nos cursos de Formação em FAP e Terapia Analítico-Comportamental Infantil do IBAC.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba nossas atualizações

Comentários

Posts recentes

comportamento verbal

Vocal ou verbal?

Uma confusão bastante comum entre estudantes de Análise do Comportamento diz respeito às diferenças entre os conceitos “vocal” e “verbal”. Essa confusão é compreensível, pois,

Obrigado pelo feedback

Sua opnião é muito importante para nós!