Autismo: Os desafios enfrentados pelos pais e as estratégias na promoção da saúde mental

Compartilhe este post

O diagnóstico de autismo em um filho pode desencadear uma montanha-russa emocional para os pais, trazendo consigo uma série de desafios únicos que afetam diretamente o estresse parental e a qualidade de vida da família. Desde o momento do diagnóstico, os pais são confrontados com uma realidade inesperada, que demanda adaptações significativas em suas vidas e rotinas familiares.

Um dos maiores desafios enfrentados pelos pais de crianças com autismo é o estresse emocional decorrente da incerteza do futuro de seus filhos, das demandas constantes de cuidado e das dificuldades na obtenção de suporte adequado. Muitas vezes, os pais se veem sobrecarregados pela necessidade de dedicar tempo e energia significativos aos cuidados com seus filhos, o que pode levar a altos níveis de estresse e exaustão física e emocional.

Segundo Shu, Lung e Shan (2000), 1/3 das mães de crianças autistas podem apresentar problemas psiquiátricos como: depressão, fobia social, transtorno de ansiedade generalizado, TOC e disfunção sexual. Além disso, as demandas financeiras associadas ao autismo, como custos de terapias especializadas, educação especial e cuidados médicos, podem colocar uma pressão adicional sobre a família, levando a preocupações sobre o futuro financeiro e contribuindo para o estresse dos pais (Tonge Brereton & Kiomall, 2006).

A falta de apoio social e compreensão por parte da comunidade também pode aumentar o estresse parental. Muitas vezes, os pais de crianças com autismo se sentem isolados e incompreendidos, enfrentando o estigma social e o julgamento de outras pessoas que não entendem as necessidades especiais de seus filhos (Favero & Santos, 2005).

Vasilopoulou e Nisbet (2016) abordaram diversos aspectos relacionados à qualidade de vida dos pais de crianças com autismo. Entre os principais achados destacados por esses estudos, estão:

  • Qualidade de vida empobrecida: os pais de crianças com autismo apresentam uma qualidade de vida geralmente mais baixa em comparação com pais de crianças neurotípicas. Isso inclui uma menor saúde física e mental, funcionamento social inferior e menor satisfação com o ambiente.

  • Altos níveis de estresse: os pais de crianças com autismo têm uma maior probabilidade de experimentar elevados níveis de estresse, o que pode afetar negativamente sua qualidade de vida e bem-estar emocional.

  • Impacto das dificuldades comportamentais: as dificuldades comportamentais das crianças com autismo têm um impacto significativo na qualidade de vida dos pais. Os pais de crianças que apresentam maiores dificuldades de conduta tendem a ter uma qualidade de vida física e emocional mais baixa.

  • Ciclo vicioso entre dificuldades da criança e o bem-estar dos pais: foi observado que as dificuldades comportamentais das crianças com autismo e o bem-estar dos pais podem se tornar um ciclo vicioso, no qual as dificuldades da criança diminuem o bem-estar dos pais e este, por sua vez, intensifica os sintomas da criança. Intervenções que ofereçam apoio aos pais podem ajudar a quebrar esse ciclo e melhorar o bem-estar de toda a família.

Esses achados ressaltam a importância de abordar as necessidades dos pais de crianças com autismo, oferecendo suporte emocional, intervenções específicas para redução do estresse e acesso a recursos que possam melhorar sua qualidade de vida e bem-estar geral.

Todo esse estresse e pressão podem ter um impacto significativo na qualidade de vida da família. Os pais podem experimentar uma deterioração de sua saúde física e mental, dificuldades nos relacionamentos conjugais e familiares, e uma diminuição da satisfação geral com a vida.

Segundo Favero e Santos (2005), apesar do impacto do autismo nas famílias, nem todos os cuidadores são afetados da mesma maneira. O conceito de resiliência é fundamental, denotando a capacidade de adaptação positiva em condições adversas. Cuidadores resilientes podem obter sucesso em meio às dificuldades, promovendo a saúde mental familiar.

Nesse sentido, os pais precisam desenvolver estratégias eficazes para enfrentar a situação. O aconselhamento, orientações, apoio social e terapias emergem como alternativas importantes para lidar com o estresse. Além disso, a participação em atividades recreativas e a ampliação da rede de suporte familiar podem reduzir a probabilidade de dificuldades comportamentais e ansiedade, fortalecendo o enfrentamento positivo. Intervenções que visam diagnóstico e intervenção precoce, aconselhamento informativo, treino parental, terapia individual e/ou de casal e aumento do suporte social, têm demonstrado ser eficazes na melhoria do bem-estar da família e no desenvolvimento da criança autista (Favero & Santos, 2005).

Ao reconhecer e abordar o estresse parental e os desafios enfrentados pelas famílias de crianças com autismo, podemos implementar estratégias e intervenções que visam melhorar a qualidade de vida e o bem-estar da família como um todo. Isso inclui o fornecimento de apoio emocional e prático aos pais, acesso a serviços de saúde mental e assistência financeira para ajudar a aliviar o ônus financeiro associado ao autismo. Além disso, promover a conscientização e a compreensão pública sobre o autismo pode ajudar a reduzir o estigma e o isolamento social enfrentados pelas famílias.

Dessa forma, ao trabalharmos juntos como uma comunidade, podemos criar um ambiente mais solidário e inclusivo para as famílias de crianças com autismo, onde todos possam prosperar e alcançar o seu pleno potencial.

Referências:

Favero, M. A. B., Santos, M. A. (2005). Autismo infantil e estresse familiar: uma revisão sistêmica da literatura. Psicologia: Refexão e Crítica, 18(3), 358-369. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722005000300010.

Shu, B. C, Lung, F. W & Chan, Y. Y. (2000). The mental health in mothers with autistic children: A case-control study in southern Taiwan. Kaohsiung Journal Medicine Science, 16, 308-314.

Tonge, B., Brereton, A., Kiomall, M., Mackinnon, A., King, N., & Rinehart, N. (2006). Efects on parental mental health of an education and skills training program for parents of young children with autism: A randomized controlled trial. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, 45(5), 561–569. https://doi.org/10.1097/01.chi.0000205701.48324.26

Vasilopoulou, E., & Nisbet, J. (2016). The quality of life of parents of children with autism spectrum disorder: A systematic review. Research in Autism Spectrum Disorders, 23, 36–49. https://doi.org/10.1016/j.rasd.2015.11.008.

Artigo escrito em colaboração com:

Paulo Henrique B. do Carmo

Psicólogo clínico (CRP 03/3583), supervisor clínico, professor universtário e escritor.

Escrito por:

Luana Nascimento

Graduada em Psicologia (FAT); Pós-graduanda em Análise Comportamental Clínica (IBAC); Formação em Análise do Comportamento Aplicada (FAT); Formanda em Sexualidade Clínica (CRESCER); e Integrou a participação na Revista Poliglosa sobre práticas culturais feministas (Nuremberg, Alemanha).

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba nossas atualizações

Comentários

Posts recentes

comportamento verbal

Vocal ou verbal?

Uma confusão bastante comum entre estudantes de Análise do Comportamento diz respeito às diferenças entre os conceitos “vocal” e “verbal”. Essa confusão é compreensível, pois,

Obrigado pelo feedback

Sua opnião é muito importante para nós!